quinta-feira, 10 de maio de 2012

*O trabalho de Malinowski



O funcionalismo de Malinowski é certamente durkheimiano na origem, mas há uma diferença crucial no seu método. Como antropólogo, Malinowski vai de baixo para cima, e da psique à cultura, onde, como para Durkheim é a causalidade de cima para baixo, primeiro o social (consciência coletiva) e os aspectos psicológicos são mais efeitos que a causa, e, basicamente, detalhes dos fatos sociais.
Malinowski foi importante para a antropologia e está elevando o status a cada dia. Para muitos preocupados com a estrutura e função, o grande esquema das coisas subiu acima da monotonia da vida a cada dia. Mas para a descrição, Malinowski descreveu por volta da monotonia, construindo um quadro maior da vida dele. Além disso, as pessoas misturam a monotonia as suas crenças e sua estética em conjunto, para criar uma realidade quotidiana da aplicação do mito e uma própria história dentro dele para a monotonia. Assim, torna-se importante para capturar isso em qualquer conta antropológica.
Para escrever a partir dessa perspectiva foi bem uma pausa a partir da base evolucionária da antropologia até o momento. Esta era uma espécie de postura darwinista e liberal-protestante-social ocidental etnocêntrica, onde as sociedades encontravam o seu pico nas sociedades ocidentais do dia. Este pressuposto, um reflexo do imperialismo e do eurocentrismo, levou à suposição de que de que as sociedades tribais eram esperadas para se tornar bastante complexa e moderna através do desenvolvimento. Há um problema paralelo da evolução social e ideológica através da religião (Rapport, Overing, 2000, 322-323) - por exemplo, da magia, a religião politeísta, do catolicismo, e protestantismo Monoteísmo e Liberal, e suas conexões com o desenvolvimento social e econômico.
Nos anos 1915-1916 1917-1918 Malinowski fez um trabalho pioneiro ao estudar As Ilhas Trobiand do Sul do Pacífico. O trabalho de Malinowski era a quebra de abordagens evolucionárias mais encontrados em sociologia (sociedade passa por estágios de desenvolvimento de desenho em uma lógica interna) e difusionista histórica se aproxima de melhor encontro na etnografia (desenvolvimento movido geograficamente fora dos centros mais desenvolvidos). Malinowski escreveu sobre o aqui e o agora através da descrição, e como ele funcionava como um todo. Não é como se impôs a perspectiva de novo, mas as perspectivas concorrentes já estavam dando lugar a pesquisa de campo e uma descrição (Kuper, 1983, 5).
O funcionalismo é essa perspectiva que vê as atividades da sociedade do trabalho por uma razão dada de acordo com os envolvidos, mas a atividade tem um impacto sociológico em particular em fazer o trabalho da sociedade como um todo. As culturas são totalidades, de acordo com Malinowski. Eles estão trabalhando unidades. O estruturalista dá um passo além, que segue certos padrões fortes em todas as sociedades que apenas têm diferenças particulares. O funcionalismo não vai tão longe, ele apenas afirma que há posturas e finalidades funcionais. Malinowski fez essa análise através de ligações e conexões que para ele constitui um sistema. Ele evitou o jargão técnico, por exemplo, em relação ao parentesco nas Ilhas Trobriand, que era mais descritivo do que sistemático (Malinowski tornou-se mais teórico após as monografias Trobriand). Ele estava tentando conectar uma atividade e seu significado para o outro. Ele produziu uma riqueza de dados. Esta riqueza foi assistida por pedir sempre a mais simples das perguntas. Por que isso, e então por que aquilo? As perguntas de um observador bom participante, ao fazer um ponto de interrogação (entrevista ou questionário) deve sondar o detalhe, mesmo que as pessoas que estão sendo estudadas acham isso irritante (como fizeram com Malinowski, ver Kuper, 1983, 18).
Cultura deve ser entendida não no abstrato, mas em contexto e as regras da cultura devem ser sempre verificadas contra o que é realmente feito. A cultura é uma entidade em si mesmo e não é necessário para o antropólogo ter que usar comparações transculturais (embora funcionalistas podem fazer isso para as fontes de disfunção e alteração). A coisa principal é que as culturas devem trabalhar ou se sustentarem (Kuper, 1983, 26), que é o funcionalismo. No entanto, contra o que poderia ser considerado como elemento essencial do funcionalismo, que é a consistência, Malinowski argumenta que as pessoas comuns em ambas as culturas primitivas e avançadas podem ter opiniões contraditórias ao mesmo tempo (o que é coerente com sua visão cognitiva que todos os níveis aparentes de pessoas partilhar o mesmo tipo de pensamento). Este ponto tem sido ainda um pouco perdido dentro de antropologia (Rapport, Overing, 2000, 81).
Até Malinowski, as teorias evolucionistas encontrava pouco ponto em rituais (compare com a forma como o protestantismo, construído em um ponto de referência de tantos escritores, tornou-se ritual restrito), exceto como vê-los como ecos de um passado mais primitivo. Por seu método Malinowski tirava a perspectiva histórico-futura imposta e levou a sociedade e a cultura como se encontrava, embora através da ficção de excluir aqueles que estavam fora do seu quadro de referência, e mostrou que os rituais, enquanto eles não podem ser abertamente tinha um propósito de manutenção da sociedade, tinha essa função essencial no presente. Eles eram um foco pelo qual as pessoas interagiram e fizeram ligações, e criou uma base otimista para prosseguirem.
Escrevendo em 1920, Malinowski mostrou o ponto de vista funcional que as crenças podem parecer mágica, mas eles tinham uma finalidade mais prática e de fato eram auto-serviço. Eles não eram simbolistas, como poderíamos estar na religião. Esta foi uma base de cooperação, assim como a humanidade moderna coopera. Existe o potencial para desenvolver a análise transacional dentro da sociedade primitiva, não é certamente o princípio da reciprocidade (ligação através de dar e receber) dentro dessas sociedades.
Ele descreveu como a mágica era usada onde a incerteza era grande e a pouca razão que tinha para contribuir. No interior das lagoas, os ilhéus eram seguros, e os peixes eram capturados. Nos mares tempestuosos, onde havia perigo e imprevisibilidade de pesca era necessário mágica para subjugar os medos ilhéus e, portanto, dar sugestão de controle do meio ambiente e reduzir o medo, facilitando a pesca.
Essa magia ritual era, em certo sentido, lógico, porém, não se restringe a algum estado mítico de um desenvolvimento social diferente, porque mostrou o processo de pensamento mesmo que com os povos modernos, mas aplicado em seu ambiente cultural e social. Em outras palavras, a abordagem de Malinowski implícita uma teoria cognitiva da mente que é a mesma para todas as pessoas e demonstrou uma racionalidade compartilhada entre a chamada selvagem e moderna (Kuper, 1983, 25) humanidade.
Entre 1922 e 1935 ele publicou sete monografias sobre as Ilhas Trobriand e estas foram a base de suas palestras em Londres. Cada uma tinha um foco principal, e abrangeram os temas de negociação, vida familiar, e da procriação, mito, fazer cumprir normas e jardinagem. Então, não havia uma visão holística coordenada e nenhum sistema, apesar de sue próprio estresse nas interconexões (Kuper, 1983, 24). Isto foi algo que ele se arrependeu.
A antropologia não é simplesmente behaviorista, ou escrever sobre as aparências externas, mas pretende ir mais fundo. Ele determinou regras para incluir sentimentos, instintos e sua metafísica. Isso significava fazer notas e mais notas, e escrevendo até depois in situ. Aqueles que eram descritivos no método antes dele tendiam a se interessar por assuntos como cultura, migração e classificação de pessoas e seus objetos, outros que estavam mais preocupados com instutições sociais eram mais teóricos na abordagem (Kuper, 1983, 2). Malinowski combinou o método dos etnólogos com o funcionalismo encontrado em sociologia.
Ele escreveu e mapeou os costumes em torno de atividades descritas e observados, e com os dados fez as ligações. Isso foi como o livro de regras. Então, o diário de trabalho descreveu as atividades da maneira que foram realizadas porque essas regras nem sempre eram seguidas (o que eles faziam em proveito próprio).Outro dado conta a riqueza das histórias, rituais e conversas que mostravam a mentalidade das pessoas (o que eles pensavam). Dados sociais é sempre multi-camadas e complexa (Kuper, 1983, 15-17).
Malinowski questionou o seu método e a validade dos dados - ele estava sempre tentando encontrar maneiras de coletar e catalogar o material, documentos e objetos, bem como notas de observações participantes.
Malinowski mostrou que um  rico material pode ser a partir da observação participante. O material, tomado ao longo de um período de tempo suficiente, e profundidade de gravação suficiente de acordo com uma estratégia qualititativa, traz resultados ricos.
Costumes estão sempre se modificando na prática, de acordo com Malinowski (Kuper, 1983, 17), no entanto eles parecem imóveis.
Os diários (publicados após sua morte) mostram o lado mais pessoal de Malinowski que as notas de campo.
Um ponto importante sobre o método da antropologia social, é que em algum momento, apesar da riqueza do material, tem de haver redução. Malinowski mudou a antropologia não apenas para a riqueza do material, e no funcionalismo, mas uma redução da cultura em uma espécie de história naturalista e realista. 

Flávia M de Medeiros Candeiro
Fonte Bibliográfica:
 
EVERYTHING2 BRONISLAW MALINOWSKI (PERSON), Disponível em: <http://everything2.com/title/Bronislaw+Malinowski>. Acesso em 25 abril 2012.

MALINOWSKI, Bronislaw Kasper. Argonautas do Pacífico Ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné melanésia. 2 ed. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

2 comentários: