sexta-feira, 11 de maio de 2012

*O Funcionalismo de Malinowski




Bronislaw Malinowski foi um dos principais expoentes da antropologia funcionalista britânica da primeira metade do século XX. Para ele, devido à influência Wilhelm Wundt, cada sociedade deveria ser estudada como um “todo”, como um organismo possuidor de uma lógica interna e singular, subdividido através de uma complexa rede de relações entre os indivíduos. Ele também acreditava que a análise antropológica deveria se realizar de forma sincrônica, imediata e levando em conta os fatores sociais, psicológicos e biológicos dos nativos. 
Para compreender a complexidade social das diferentes sociedades, de acordo com o Eriksen e Nielsen (2010), o funcionalismo de Malinowski, conhecido como biopsicológico, defende que as instituições sociais têm como função satisfazer as necessidades biológicas dos indivíduos.  Ou seja, segundo a definição de Laplantine (2003), cada pessoa possui um conjunto de precisões, cabendo a cultura desenvolver diferentes maneiras de resolver essas necessidades, de forma coletiva, através das instituições. 
No livro Uma Teoria Científica da Cultura, Bronislaw Malinowski (1970) afirma que a cultura representa a totalidade social, o conjunto de todas as instituições, um “ambiente artificial”, uma forma de resolver as necessidades humanas. O mesmo define função como uma ação coletiva responsável por satisfazer uma necessidade (fome, procriação, proteção etc.). Mas, para que isso ocorra, é preciso que haja cooperação, organização entre os indivíduos. A organização, por sua vez, precisa de um arranjo, de uma estrutura bem definida, a qual se chama instituição.  
Para que uma instituição possa existir, um conjunto de valores tradicionais que dizem respeito a essa instituição necessita ser aceito pela coletividade, bem como é necessário que haja relação entre as pessoas e com o ambiente físico e com a cultura. O kula, por exemplo, representa uma rede de relações, baseada na tradição, que envolve a troca de braceletes e pulseiras, que, além do aspecto das trocas, envolve também a magia, permitido que a partir dessa instituição se possa compreender uma parte da realidade cultural do trobriandeses.
O pesquisador da área de antropologia, na visão de Malinowski, dentro da perspectiva funcionalista, deve observar cada detalhe da cultura estudada, por mais simples que possa parecer, a fim de reconstruir de forma precisa a lógica daquela cultura. Por isso, é importante a observação participante, uma metodologia desenvolvida por Malinowski, resultante do aperfeiçoamento do trabalho de campo, onde o observador convive durante um longo período com a coletividade por ele estudada, participando de todas as atividades, do dia-a-dia, no intuito de apreender toda a complexidade da cultura.

Renato Ferreira.

Referência Bibliográfica: 
ERIKSEN, Thomas Hylland; NIELSEN, Finn Sivert. História da Antropologia. Petrópolis/RJ: Vozes, 2010.

MALINOWSKI, Bronislaw. Os Pensadores: Bronislaw Malinowski - Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1978.
  
MALINOWSKI, Bronislaw. Uma Teoria Científica da Cultura. São Paulo: Abril Cultural, 1978.
 LAPLANTINE, François. Aprender Antropologia.São Paulo: Brasiliense, 2003.

2 comentários:

  1. ara Malinowski a sociedade tinha como função principal a satisfação das necessidades básicas, biológicas e psicológicas, (Teoria das necessidades) do ser humano. Contudo o individuo era o fundamento da sociedade.

    ResponderExcluir
  2. ara Malinowski a sociedade tinha como função principal a satisfação das necessidades básicas, biológicas e psicológicas, (Teoria das necessidades) do ser humano. Contudo o individuo era o fundamento da sociedade.

    ResponderExcluir